Programação em WordPress é pra mim?

Programação em WordPress : Isso existe?

Se você está lendo esse post por causa do título, das duas uma:

Ou você é novato no mundo WordPress ou você deve estar achando que eu estou louco. Eu digo isso porque todo mundo que tem vontade de programar dentro da plataforma WordPress, um dia já procurou por isso no Google. No entanto, basta dar uma navegada rápida para aprender que não existe uma linguagem de programação específica para WordPress.

Linguagens de programação em WordPress

Para se tornar um(a) bom(boa) programador(a) para a plataforma de WordPress, você deverá entender as seguintes linguagens:

  • HTML – Esta não é uma linguagem de programação e sim uma linguagem de marcação. Serve para marcar o conteúdo em tags como <header>ou <body>. Antigamente, também era feita a estilização do site (design) no próprio HTML. Essa prática está ultrapassada, graças ao CSS.
  • CSS – Também não é uma linguagem de programação, mas se você já chegou ao nível de querer desenvolver plugins ou querer editar o functions.php sem medo e com mais liberdade, você provavelmente já mexeu com o CSS do seu site (ou não e provavelmente nem nunca vai). Serve para estilizar as tags de um documento HTML.
  • PHP – Essa sim é uma linguagem de programação e a mais importante, pois todas as funções específicas de WordPress (que são o que você, futuro programador WordPress, provavelmente deseja saber) são escritas nessa linguagem. Você deve ter o conhecimento básico desta linguagem, mas quanto mais souber, mais poderosos serão os seus códigos. Há vários tutorias de PHP pela internet.
  • JS – Outra linguagem de programação. Enquanto PHP é processada no ‘server side’, isto é, o código é processado pelo computador onde o site está instalado e apenas o resultado é passado para o usuário, o Javascript (JS, para encurtar) é processado no ‘client side’. Isso significa que o comando é processado no computador do usuário e o resultado é mostrado na tela sem que haja um reload na página utilizada. Um exemplo seria o envio de um formulário.

Linguagens de programação usadas em WordPress

Programação em WordPress vs. Programação em outras plataformas

Uma vez que você já aprendeu um pouco de PHP e entende como o código é processado, você pode aprender sobre o WordPress e alguma funções corriqueiras, dessas que utilizamos em quase todos os plugins. Um exemplo seria:

add_action( 'wp_enqueue_scripts', 'storefront_child_enqueue_resources' );
function storefront_child_enqueue_resources() {
   wp_enqueue_style( 'style', get_stylesheet_uri() );
   wp_enqueue_script( 'javascript', get_template_directory_uri() . '/js/javascript.js', array(), '1.0.0', true );
}

Se você ainda não começou a mexer com programação em WordPress, só deve ter entendido que child_enqueue_resources()é uma função PHP. Isso está certo, mas o que queremos chamar atenção aqui são o add_action()wp_enqueue_style() e wp_enqueue_script(). Estas também são funções PHP, mas que foram escritas pelos desenvolvedores e colaboradores do WordPress. Estas funções, assim como muitas outras, estão disponíveis para você utilizar quando quiser.

WordPress Codex: A Bíblia da Programação em WordPress

Você ficou curioso(a) sobre o que essas funções fazem? Bem, a primeira é o que chamamos de gancho (hook) para que uma ação (no exemplo, a função ‘child_enqueue_resources’)seja tomada em um determinado momento (isso vai depender do gancho utilizado, há dezenas!). Já a segunda, serve para dizer ao WordPress em que pastas estão os arquivos style.css e javascript.js do tema filho. (Não sabe o que é um tema filho – child theme? Clica aqui!). Como que eu sei isso? Fácil: O WordPress é extremamente bem documentado. Todas as classes, funções e variáveis estão ali. Onde? Segue esse link aqui: https://codex.wordpress.org/

Rafa é Programador Web especializado em WordPress + WooCommerce e escritor nos tempos livres. Criação de sites, otimizações de velocidade e SEO, e criação de plugins são algumas de suas funções rotineiras que lhe permitem falar com propriedade quando o assunto é WordPress.

Seja o primeiro a comentar: O que você acha?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *